Imprimir
Categoria: Autarquia
Visitas: 2918

Situada nas vertentes do Montemuro, entre as freguesias de Picão e Ermida, Gosende, Monteiras e Castro Daire, é constituída por um único aglomerado populacional. Ocupa uma área de 23 hectares e dista cerca de sete quilómetros do centro da sede de concelho.A tradição popular gosta de fundamentar a origem do topónimo Moura Morta numa lenda, assim contada por um natural desta terra: “ Uma moura dirigia-se ao povoado, que na altura, se chamava Mazes, e encontrou uns rapazes que, sentados à sombra, impediram a sua passagem, já que havia luta entre cristãos e não-cristãos, e bateram-lhe. Ela caiu, morreu e foi aí que nasceu o nome Moura Morta.”

Na Alta Idade Média, incluía-se no termo de Moção e era uma “vila” rural toda regalenga. O território da freguesia actual (que não existia como tal até ao século XV ou XVI) parece que engloba o das velhas “vilas” rurais de Gondivão e Setos, que foram povoadas com cartas de foro concedidas aos povoadores, respectivamente em 1103 (por Ermígio Moniz) e em 1139 (por Egas Moniz).

Da carta de Egas Moniz, prestameiro destes lugares, os inquiridores tiraram cópia “de quanto pudemos encontrar em rolo”, disseram. A “vila” de Moura Morta foi também aforada, pelo modelo de Moção, talvez pelo próprio Egas Moniz, que possuía próximas daqui várias honras (Várzea da Serra e Mezio, entre outras). Já em 1258, porém, os povoadores tinham perdido a carta de foro que lhes havia sido dada no século anterior. Aqui existia um município rudimentar, cujo mordomo devia dar de quitação ao prestameiro 14 varas de bragal; este recebia, ainda por ano, de colecta, um carneiro, 16 pães de centeio, três galinhas e três teigas d cevada; o restante foro anual era de oito moios de pão (metade centeio e metade milho), 16 afusais de linho dobado, 30 ovos, uma freama (que valesse três soldos) e um sexteiro de pão; de cada fogueira, davam-se outros foros em carne de porco e galinhas.

Extinto em 1834 o concelho de Moção, Moura Morta passou para o concelho de Castro Daire.